Agenda Econômica Semanal – 9 a 15 de outubro de 2017

Vendas do varejo serão o foco da agenda doméstica

Embora a semana seja curta, em função do feriado prolongado de Nossa Senhora Aparecida, na próxima quinta-feira, Brasília terá dias quentes a partir desta segunda-feira com o início da análise da segunda denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB) na Câmara dos Deputados e com o julgamento que afetará diretamente o senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Supremo Tribunal Federal (STF). A despeito da agitação na agenda política, na economia a semana será tranquila com o destaque para os dados das vendas do varejo em agosto, para as quais esperamos avanço de 0,4% no comércio restrito (contra o mês anterior). O avanço dos indicadores coincidentes como o de vendas dos supermercados (0,6%, Boa Vista) e o de movimento do comércio (0,5%, Serasa) dão suporte a nossa análise. A deflação dos itens do segmento também deve ajudar. No conceito ampliado, que inclui veículos e material de construção, acreditamos que haverá alta de 1,6% na variação marginal em agosto devido às vendas de comerciais leves e automóveis (3,1%, Fenabrave | 1,5%, Anfavea). Apesar da ligeira acomodação em relação aos meses anteriores, o resultado de agosto não será influenciado diretamente pelos saques do FGTS (que terminaram em meados de julho) e, caso nossa projeção se confirme, refletirá uma retomada sustentada do consumo.

O IGP-DI, divulgado na manhã desta segunda-feira, subiu 0,62% em setembro, de acordo com os dados divulgados pela FGV, acima da mediana das expectativas do mercado (0,50%). A aceleração em relação a agosto, quando o índice cresceu 0,24%, foi explicada principalmente pelos produtos agrícolas no atacado, que passaram de uma queda de 1,81% para uma alta de 0,75%. No mesmo sentido, o IPA industrial avançou 1,05% neste mês (ante variação de 0,96% na leitura anterior), refletindo principalmente a elevação dos preços do diesel nas refinarias. O IPC, por sua vez, recuou 0,02% no período, ante alta de 0,13% no mês passado. Por fim, o INCC passou de uma elevação de 0,36% para outra de 0,06%. Com esse resultado, o IGPM acumulou deflação de 1,04% nos últimos doze meses, ante recuo de 1,62% na leitura anterior. Apesar da surpresa altista com os últimos índices de preços, o cenário prospectivo de inflação segue favorável. Na terça-feira, a FGV divulgará indicadores de mercado de trabalho de setembro (Indicador Antecedente de Emprego e Indicador Coincidente de Desemprego).

Na agenda internacional, as divulgações devem confirmar o cenário benigno para a inflação e positivo para a atividade. Em relação à inflação, serão conhecidas as informações dos índices de preços ao consumidor dos EUA e da Alemanha. Além disso, serão divulgados os dados da China de balança comercial e crédito, de produção industrial da Área do Euro e vendas no varejo dos EUA. A despeito da desaceleração esperada na China, os dados deverão reforçar nossa visão de crescimento forte e espalhado na economia global nesse terceiro trimestre, sem perspectivas de pressões inflacionárias ao consumidor, garantido um ambiente global com ampla liquidez nos próximos meses.

tabela

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s