Agenda Econômica Semanal – 24 a 30 de julho de 2017

Decisão do Copom sobre juros é o principal assunto da semana

 Nesta semana, a atenção do mercado vai se concentrar na decisão de política monetária do Copom, na quarta-feira. No encontro, acreditamos que o comitê reduzirá a taxa Selic de 10,25% para 9,25%, o que significará manutenção do ritmo de corte de juros. Após o aumento da incerteza devido à eventos não econômicos vistos na 2ª quinzena de maio, o Banco Central chegou a indicar que reduziria o ritmo, porém como um amplo conjunto de fatores positivos se consolidou a expectativa de um novo corte de 100 basis-points (bps) a voltou a ser a aposta majoritária do mercado. Nesse sentindo, destacamos para queda do câmbio, do prêmio de risco soberano e da inflação, bem como a relativa tranquilidade dos mercados internacionais. Avaliamos que o Copom deve deixar a porta aberta para um novo corte de 100 bps no Copom do dia 6 de setembro.

Reforçando essa tendência desinflacionária, o IGP-M deve reduzir continuar em deflação, ao passar de –0,67% para -0,65% (M/M) em julho. Os elevados custos com a mão de obra da construção civil devem aliviar levemente o ritmo de queda do índice. Por outro lado, a queda no preço (i) do Milho de-vido ao nível alto de estoque e à boa performance da “safrinha”, (ii) da Batata, (iii) dos Suínos e (iv) dos Combustíveis ajudam a explicar a continuidade do índice no terreno negativo. A alta sazonal dos custos com a mão de obra da construção civil deve reduzir moderadamente o ritmo de queda do índice.

Outro destaque da semana é o resultado fiscal referente a junho. Nesse sentido, na quinta-feira será divulgado o resultado do Governo Central, que, segundo nossas estimativas, deve apresentar déficit primário de R$ 21,3 bilhões. No dia seguinte, será conhecido o resultado do setor público consolidado, que deve ter registrado déficit de R$ 20,2 bilhões. Em relação aos indicadores de atividade, ao longo da semana a FGV divulgará o resultado de julho das Sondagens dos diversos setores da economia. Na sexta-feira, conheceremos os dados da PNAD contínua, que, segundo nossas projeções, deve apontar que a taxa de desemprego permaneceu em 13,3% no mês passado. Por fim, o Banco Central divulgará, na quinta-feira, os dados do mercado de crédito referentes a junho.

No cenário externo, o mercado deve ficar atento à divulgação das primeiras estimativas do PIB do segundo trimestre dos Estados Unidos, a serem conhecidas na sexta-feira, após a frustração com o resultado do PIB no primeiro trimestre. Além disso, na quarta-feira a primeira estimativa do PIB do Reino Unido deverá mostrar que a atividade econômica continuou fraca nos últimos meses. Por fim, na quarta-feira, o Fed deve anunciar o resultado de sua reunião de política monetária, na qual esperamos que não haja alteração da taxa de juros nem mudança relevante de sua comunicação.

tabela

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s