Meta fiscal do governo central, de R$ 96 bilhões, pode estar subestimada

O déficit primário nas contas do governo central (Tesouro Nacional, Previdência e Banco Central) em fevereiro, de R$ 25 bilhões, não sustentam a estimativa do próprio governo de fechar o ano com déficit de R$ 96 bilhões. Na opinião da REAG, essa projeção pode estar subestimada, uma vez que as receitas se mantêm em queda e os gastos continuam subindo. A expectativa é de que o déficit do governo central seja mais amargo do que o esperado por conta da explosão da dívida pública. Continuar lendo Meta fiscal do governo central, de R$ 96 bilhões, pode estar subestimada

Anúncios

Saída do PMDB põe lenha na fogueira do impeachment e evidencia candidatura de Temer à presidência

A debandada do PMDB da base governista acirra as apostas a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff, aumentando a probabilidade do seu vice, Michel Temer (PMDB-SP), assumir a presidência e garantir a liderança de sua candidatura no páreo para as eleições presidenciais em 2018. Assim, com o impeachment, o PMDB asseguraria um poderoso cabo eleitoral para eleger Temer daqui a dois anos. Continuar lendo Saída do PMDB põe lenha na fogueira do impeachment e evidencia candidatura de Temer à presidência

Agenda Econômica Semanal – 28 de março a 3 de abril de 2016

A agenda doméstica nesta semana traz a divulgação de vários indicadores, mas o mercado estará atento ao Relatório de Inflação do 1º trimestre de 2016, a ser divulgado pelo Banco Central na quinta-feira. E expectativa é de que o documento traga informações relevantes acerca da política monetária e das expectativas de inflação. Continuar lendo Agenda Econômica Semanal – 28 de março a 3 de abril de 2016

Comunicado – Uso indevido da marca REAG

A REAG Investimentos atua nos ramos de gestão de recursos de terceiros, sendo devidamente autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários para o exercício de tal atividade e tendo o site http://www.reag.com.br como seu endereço eletrônico oficial.
Informamos, por meio deste comunicado, que pessoas não autorizadas estão utilizando a internet e demais meios de comunicação para oferecer serviços e produtos financeiros, principalmente empréstimos e crédito pessoal em nome da REAG Investimentos, de forma irregular e sem qualquer forma de autorização da REAG Investimentos. Continuar lendo Comunicado – Uso indevido da marca REAG

Cresce a participação de fontes alternativas de recursos, como CRIs e LCIs, na origem do financiamento imobiliário. Por outro lado, a fatia da poupança é reduzida, modificando o perfil do funding brasileiro

Novas fontes de captação de recursos para financiamento imobiliário ganharam espaço nos últimos anos, enquanto a oferta de crédito originada da poupança encolhe. De 2007 a 2015, a participação da poupança no mercado de funding imobiliário recuou de 80% para 50% (Figura 1). O tropeço da poupança deve-se basicamente à sua má remuneração frente à alta na taxa de juros de mercado, o que a torna um instrumento financeiro pouco atrativo. Em termos reais, o saldo da poupança encolheu 12% em 2015, comparativamente ao ano anterior (Figura 2). Continuar lendo Cresce a participação de fontes alternativas de recursos, como CRIs e LCIs, na origem do financiamento imobiliário. Por outro lado, a fatia da poupança é reduzida, modificando o perfil do funding brasileiro

Agenda Econômica Semanal – 21 a 27 de março de 2016

Resultados do mercado de trabalho e “prévia” do IPCA são os destaques

A agenda econômica da semana vem recheada de indicadores do mercado de trabalho. Amanhã, serão divulgados os dados de vagas formais do Caged. A Pesquisa Mensal de Emprego (PME) de fevereiro sai na quarta-feira, cujo levantamento será encerrado nessa data. No dia seguinte serão conhecidos os resultados da Pnad Contínua de janeiro, pesquisa que substituirá integralmente a PME. Segundo projeção da REAG, a taxa de desemprego medida pela PME deve ter alcançado 8,4% em fevereiro, enquanto o resultado pela Pnad Contínua deve registrar 9,5% de desempregados em janeiro. Continuar lendo Agenda Econômica Semanal – 21 a 27 de março de 2016

Lula como “superministro” só terá sucesso se matar 3 coelhos com uma só cajadada

A estratégia de Lula como “superministro” é tentar matar três coelhos com uma única cajadada: salvar Dilma do impeachment, se salvar da investigação do juiz Sergio Moro e ressuscitar a economia e o PT, ambos em estado terminal. Se tiver sucesso nessa difícil empreitada, seu lugar como Presidente da República é certo em 2018. Na prática, ao assumir a Casa Civil, o ex-presidente Lula começa seu terceiro mandato na Presidência do Brasil e lança “oficialmente” sua candidatura para 2018. Continuar lendo Lula como “superministro” só terá sucesso se matar 3 coelhos com uma só cajadada

Agenda Econômica Semanal – 14 a 20 de março de 2016

Mercado estará atento à reunião do Fed nesta semana

A agenda econômica desta semana traz poucos eventos, enquanto na agenda internacional traz a reunião do Fed.

No cenário nacional, destacamos a divulgação da Pnad Contínua de 2015, na terça-feira, na qual a REAG prevê que a taxa de desemprego tenha atingido 9,0% em dezembro. Ainda na terça-feira será conhecido o primeiro indicador de confiança industrial de março, apurado pela CNI, o qual é esperado pela REAG estabilidade e até mesmo uma possível melhora da confiança, assim como um leve ajuste dos estoques. O IGP-10 de março será anunciado na quarta-feira, e nossa projeção aponta elevação de 0,6%, com desaceleração da inflação sazonalmente esperada para o período por conta do menor impacto dos preços industrializados e da queda dos preços dos alimentos. Continuar lendo Agenda Econômica Semanal – 14 a 20 de março de 2016

Ata do Copom: BC se diz de mãos atadas para combater a recessão e a inflação, jogando a responsabilidade no colo do Tesouro

Espremido entre recessão econômica e a inflação sob pressão, o Banco Central mostra-se de mãos atadas na condução da política monetária, se restringindo a aguardar que resultados positivos nas contas do Tesouro ajudem a economia a sair do buraco. Em outras palavras, o BC reitera a necessidade de o governo ser persistente no ajuste fiscal, conforme leitura da REAG da ata do Copom, divulgada hoje. No documento, o BC justifica o que levou o Copom a decidir pela manutenção da Selic em 14,25% ao ano e quais são suas intenções daqui para a frente. Continuar lendo Ata do Copom: BC se diz de mãos atadas para combater a recessão e a inflação, jogando a responsabilidade no colo do Tesouro

IPCA esfria para 0,90% em fevereiro, mas ainda marca 10,36% em 12 meses

A inflação oficial medida pelo IPCA desacelera para 0,90% em fevereiro, após alta de 1,27% em janeiro, divulgou nesta manhã o IBGE. Em fevereiro de 2015, o IPCA apontou inflação de 1,22%. O indicador ficou abaixo da projeção da REAG de 1,1%. No acumulado dos dois primeiros meses deste ano, o indicador registra elevação de 2,18%, resultado menor se comparado ao mesmo período de 2015, quando a inflação era de 2,48%. Em 12 meses, o IPCA sinaliza alta de 10,36%.

Destacamos, contudo, que o IPCA de fevereiro de 2016, apesar de ter sido menor do que o de fevereiro de 2015, o qual foi impactado na época pelo reajuste da energia elétrica, é uma das maiores taxas para o mês dentro da série histórica. Em outras palavras, o abrandamento no IPCA de fevereiro não significa efetivamente que os preços caíram, mas que apenas alguns itens desaceleraram, uma vez que o nível de preços continua historicamente alto. Continuar lendo IPCA esfria para 0,90% em fevereiro, mas ainda marca 10,36% em 12 meses